Arquitetura encantadora

Crédito: Acervo Josefina Rosacor

Esse post é para você que ama arquitetura e tem curiosidade de entender como funciona a elaboração de um projeto arquitetônico para um ambiente comercial. Nossa marca está passando por um processo de amadurecimento e isso já se perceber em algumas de nossas lojas, que já estão de cara nova. Aproveitando esse momento, decidimos entrevistar Mirella Ferraz, fundadora e diretora criativa da Josefina Rosacor, e Denise Niemeyer, arquiteta escolhida para deixar o ambiente das lojas ainda mais encantador.

Primeiro batemos um papo com a Mirella, que nos contou como iniciou todo o processo e desejo por uma nova arquitetura nas lojas da Josefina. Vamos as pergunta:

JR - Como surgiu o desejo de trazer uma nova arquitetura para as lojas?

MF - Arquitetura sempre foi um pilar importante para a Josefina. Nesses 13 anos de história priorizamos oferecer aos clientes uma atmosfera que combinasse com a nossa #almarosacor. Observando nossas ações e atual postura de mercado, analisei que precisávamos mudar a arquitetura de nossas lojas para combinar com essa Josefina mais madura e moderna.

JR - O que imaginava para o conceito do projeto?

MF - Meu desejo era reconectar a Josefina ao tempo sem perder a sua essência que é ser romântica, divertida, novidadeira e alto astral. Combinar esses elementos em um projeto arquitetônico que valorizasse a exposição dos nossos produtos era o desafio. Sempre trabalhamos com uma grande diversidade de acessórios, pensados para todos e todas e precisávamos manter essa essência viva. Outro elemento que não poderia faltar no conceito do projeto é o ballet, que nos acompanha há muito tempo e que, com certeza, traz muito mais  encanto e suspiros para quem visita nossas lojas.

JR - Quais elementos arquitetônicos não poderiam faltar?

Nossas icônicas sapatilhas de ballet espalhadas por todo o teto são marca registrada e sempre precisam ser mantidas. Outro elemento é a cor rosa, que está no nosso nome, na nossa alma e também não poderia deixar de estar presente na arquitetura.

Crédito: Acervo Josefina Rosacor

Denise Niemeyer, formada em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, foi escolhida para elaborar o projeto sonhado pela Mirella. Vamos entender como ela traduziu tudo isso em arquitetura e design?

JR - Qual é a sua relação com arquitetura comercial?

DN - Apesar de trabalhar muito com projetos residenciais, a arquitetura comercial sempre me fascinou por, muitas vezes, permitir a exploração de um universo mais lúdico, onde a criatividade pode fluir mais solta e sem as tantas padronizações que a funcionalidade de uma casa exige.

JR - Qual a principal diferença ao idealizar um projeto residencial e um comercial?

Na arquitetura comercial você tem que imprimir a essência da marca no ambiente, já na residencial a prioridade são as preferências das pessoas que irão residir no espaço e o funcionamento de cada casa. Uma diferença importante nos dois modelos é pensar na exposição dos produtos de uma loja, pois além da importância de criar um ambiente que transmita a alma daquela marca, os produtos precisam estar em destaque e gerar desejo.

JR - Conta  um pouco sobre o conceito do projeto pra gente?

DN - O conceito para a Josefina foi elaborado em conjunto, por mim e pela Mirella Ferraz. Juntas elaboramos um briefing para ser o guia do projeto contendo  todas as expectativas, necessidades e elementos que deveriam estar presentes. É de extrema importância que o arquiteto busque colher de forma eficaz as informações necessárias para a elaboração do projeto, pois um ruído de comunicação pode desencadear diversos problemas que demandam  tempo e dinheiro para ser alinhados novamente.

 Foi fácil definir os elementos base, pois os conceitos que estruturam a essência da marca são bem estruturados. A partir das informações passadas pela Mirella, pensei em um estúdio de ballet que estava cedendo o espaço para fazer uma venda de acessórios. Assim, juntamos o comercial à essência artística da marca.  E foi a partir dessa ideia que o conceito bruto do projeto arquitetônico nasceu.

JR - Qual foi o maior desafio encontrado?

DN - A realização de um projeto arquitetônico é sempre constituída por diversos desafios. No caso da Josefina, precisei colocar muitos mostruários e elementos de exposição de produtos sem mascarar a ambientação do estúdio de ballet, mantendo o foco nos acessórios sem perder a percepção do conceito do ambiente.Para que isso acontecesse, coloquei elementos clássicos que só um estúdio de ballet tem: o piso de madeira quente, as barras de apoio – que fiz questão que permanecessem na altura original - , as grandes janelas e os espelhos.

Escolher as cores que iriam complementar o rosa também foi um desafio, pois era necessário deixar o rosa mais maduro.  Foi a partir desse pensamento que veio a cinza, pois é uma cor mais fria, urbana e neutra.

Crédito: Acervo Josefina Rosacor

JR - Como foi seu processo criativo para a construção do projeto?

DN - O meu processo criativo é constituído por várias fases, se inicia conversando com o cliente e vai até a visita do espaço onde será realizada a obra. Quando é um projeto comercial gosto de fazer uma imersão nos conceitos da marca e ver os produtos de perto para ter uma melhor percepção do que será vendido, isso me ajuda muito na hora de elaborar o projeto. Após esse processo de conhecer o ambiente, estudar a marca, ter contato com os produtos e conversar com o cliente é necessário fazer um que um brainstorm, colocando todas as ideias em um papel para calmamente ir filtrando o que funciona e o que não funciona para a criação.

JR - De onde veio a inspiração?

DN - A inspiração inicial para o projeto veio de um elemento que já estava presente na loja, que são as sapatilhas no teto. Como não se inspirar com a beleza que elas trazem? Impossível.

JR - Conte uma solução arquitetônica que desenvolveu a partir das propostas apresentadas pela Mirella?

DN- Tenho um bom case (ou exemplo) para essa pergunta. A Josefina elabora seus produtos para quatro personas e a Mirella me pediu para que esses produtos forem segmentados na loja em blocos de expositores, pois cada persona tem uma diferente personalidade e, portanto, curte estilos diferentes. Como colocar esses enormes expositores sem perder a essência do projeto que era construir um estúdio de ballet? Pensei então em pegar um elemento base do estúdio de ballet que são as janelas e criar um expositor de produtos que imitasse a estética das janelas. Assim poderia colocar quatro “janelas de expositores”, cada uma atendendo uma persona.

JR - Você está satisfeita em ver o projeto pronto, funcionando?

DN - Sim! Quando visitei a loja pronta me encantei tanto que suspirei, foi nesse momento que percebi que tinha conseguido realizar o que Mirella tinha me pedido, uma Josefina mais moderna, encantadora e que continua arrancando suspiros de quem a visita.

Deixe uma resposta

Você precisa fazer login para publicar um comentário.